Metade


[…] Tudo o que pode ser pensado com o pensamento ou dito com palavras é parcial, tudo é parcial, tudo é metade, a tudo falta totalidade, integralidade, unidade.

Hermann Hesse in Siddhartha

Advertisements

Sabedoria


[…] Digo-te aquilo que descobri. Podemos partilhar conhecimentos, mas não a sabedoria. Podemos encontrá-la, podemos vivê-la, podemos ganhar importância com ela, podemos fazer maravilhas com ela, mas não podemos comunicá-la e ensiná-la.

Hermann Hesse in Siddhartha

Ilusão da escolha irrelevante


[…] O facto é que a política é um negócio como qualquer outro numa economia de mercado que se preocupa com os seus próprios interesses acima de tudo o resto.

Sinceramente, bem lá no fundo, não acredito na acção política. Penso que o sistema se contrai e se expande como quer. Adapta-se a estas mudanças.

Eu vejo o movimento de defesa dos direitos civis como uma adaptação por parte dos que mandam no país. Acho que eles vêem onde reside o seu interesse próprio; vêem que convém existir um certo grau de liberdade – uma ilusão de liberdade – dando às pessoas um dia para votar todos os anos para que tenham a ilusão da escolha irrelevante.

Escolha irrelevante, em que vamos, como escravos, e dizemos: “Ah, eu votei”.

Os limites do debate neste país são definidos antes mesmo de começar o debate, e todos os outros são marginalizados e catalogados como sendo comunistas ou um tipo de pessoa desleal, um lunático – ora aí está uma boa palavra – e agora é “conspiração”.

Eles é que inventaram isso. Porque nem sequer se deve colocar a hipótese de que pessoas poderosas se possam juntar e ter um plano!

Isso não acontece! Lunático! Maluco das teorias da conspiração!

In Zeitgeist: Moving Forward

Encontrar


[…] Quando alguém procura – respondeu Siddhartha – pode acontecer que os seus olhos vejam apenas a coisa que ele procura, que não permitam que ele a encontre porque ele pensa sempre e apenas naquilo que procura, porque ele tem um objectivo, porque está possuído por esse objectivo. Procurar significa ter um objectivo. Mas encontrar significa ser livre, manter-se aberto, não ter objectivos. Tu, Venerável, és talvez um homem à procura, pois, perseguindo o teu objectivo, muitas vezes não vês aquilo que está perante os teus olhos.

Hermann Hesse in Siddhartha

Zeitgeist: Moving Forward




Zeitgeist: Moving Forward [2011] by director Peter Joseph is a 162 minute film work which continues what the prior two films of the Zeitgeist Film Series started: a critical look at the “Zeitgeist” or ‘Spirit /Awareness of the Time’. A prominent underlying thesis of the Film Series is that a great many notions, beliefs and practices currently engaged in today and assumed as “presupposed”, “given” or seemingly empirical to our societal approaches and values are not only intellectually/historically incorrect but highly detrimental to our personal and social progress and sustainability.

Zeitgeist: Moving Forward

Abandono Proximal


[…] Mas depois temos a atenção sem stress, livre de distracções de um pai, que todas as crianças precisam e que muitas vezes não recebem.

Estas crianças não são vítimas de abuso. Não são negligenciadas e também não são traumatizadas. De facto, o que acontece é que a presença do pai emocionalmente presente, simplesmente não existe, devido ao stress na nossa sociedade e no ambiente familiar.

O psicólogo Allan Schore designa isto de “Abandono Proximal”, quando o pai está presente fisicamente mas ausente emocionalmente.

In Zeitgeist: Moving Forward

Toque


Bebés prematuros ou que estão muitas vezes dentro de incubadoras e outros tipos de dispositivos pediátricos durante semanas ou mesmo meses, sabe-se agora que, se estas crianças forem tocadas e pegadas ao colo durante apenas 10 minutos por dia, isso estimula o seu desenvolvimento cerebral.

Assim, o toque humano é essencial para o desenvolvimento e, de facto, os recém-nascidos que nunca são pegados ao colo acabam por morrer.

Isso é o quão fundamental o toque é para os seres humanos.

Na nossa sociedade, há uma tendência infeliz de dizer aos pais que não peguem nos filhos ao colo, que não os abracem, que não peguem neles ao colo quando choram, com medo de os estragar com mimos, ou que para os incentivar a dormir toda a noite não devemos pegar neles… que é exactamente o oposto daquilo que a criança necessita, estas crianças provavelmente adormecem porque desistem e os seus cérebros apenas desligam-se como uma forma de defesa contra a vulnerabilidade de serem abandonadas pelos seus pais mas as suas memórias implícitas serão as de um mundo que não quer saber.

In Zeitgeist: Moving Forward